Edição digital
Assine já
PUB

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Europa deverá cumprir com metas SAF traçadas, mas precisará de “apoio político e investimento sustentado”, diz SKYNRG

Ao que indica um relatório da SkyNRG, as companhias aéreas e os fornecedores europeus deverão cumprir com os níveis traçados pelo ReFuel EU relativamente ao SAF, em 2025 e 2030. Para o futuro, contudo, será necessário um reforço do apoio político e investimento financeiro.

Victor Jorge

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Europa deverá cumprir com metas SAF traçadas, mas precisará de “apoio político e investimento sustentado”, diz SKYNRG

Ao que indica um relatório da SkyNRG, as companhias aéreas e os fornecedores europeus deverão cumprir com os níveis traçados pelo ReFuel EU relativamente ao SAF, em 2025 e 2030. Para o futuro, contudo, será necessário um reforço do apoio político e investimento financeiro.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
FlixBus abre linhas para Barcelos e Famalicão desde Lisboa e Porto
Transportes
Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens
Eventos Publituris
Expedia Group já pode vender voos da Ryanair
Distribuição
Azul estabelece parceria para aumentar segurança dos pagamentos digitais
Aviação
Turkish Airlines aumenta frequências para as Seicheles
Aviação
Pilotos da Transportes Aéreos de Cabo Verde anunciam greve de uma semana
Transportes
easyJet vai abrir voos para Luxor e Sharm El Sheikh no inverno
Aviação
Saiba quais são os aeroportos mais movimentados do mundo
Transportes
Ilhas Maurícias querem mais viajantes portugueses e CPLP pode ser uma ponte importante
Destinos
Buscas online por museus crescem 50% em Portugal com destaque para exposições imersivas
Destinos

O mais recente relatório “SAF Market Outlook”, da SkyNRG, mostra que as companhias aéreas e os fornecedores europeus deverão cumprir os níveis introduzidos pelo ReFuel EU, que exigirá que 2% do combustível de aviação utilizado na Europa seja SAF (Combustível de Aviação Sustentável) a partir de 2025, até 6% em 2030.

No entanto, será necessário “um apoio político e um investimento financeiro sustentados” para ajudar as companhias aéreas europeias a atingir os seus objetivos em matéria de SAF, que, em muitos casos, ultrapassam o mandato da UE.

Embora as previsões indiquem que a Europa está bem posicionada no que respeita ao fornecimento de SAF até 2025, continua a haver uma série de desafios para manter esta dinâmica e garantir que a produção de SAF continue a acelerar. “É o caso, em particular, do e-SAF, em que muitos projetos estão ainda em fase de estudo de viabilidade e precisam de sair dos planos e tornar-se realidade o mais rapidamente possível”, aponta o relatório da SkyNRG.

Laurent Donceel, diretor-geral Adjunto da A4E, salientou, na altura do lançamento do relatório da SkyNRG, alguns dos desafios que o setor europeu do SAF enfrenta, apontando “o custo de produção e o custo de abastecimento, o acesso às energias renováveis, o acesso ao SAF em toda a UE e a garantia da sustentabilidade das matérias-primas utilizadas na produção de SAF na Europa”.

Donceel acrescentou que “é positivo constatar que haverá SAF suficiente para satisfazer os requisitos do ReFuel EU até 2030. Mas muitas companhias aéreas europeias não se ficam por aqui. Querem fazer mais, pelo que é importante que a Europa conceba uma política industrial para o SAF que aborde os custos de produção, acelere o abastecimento e, em última análise, faça baixar o custo do SAF na Europa. Os combustíveis sintéticos na aviação, que farão parte do mandato ReFuel da UE, exigirão uma atenção especial nos próximos meses. Os e-SAF exigirão uma grande quantidade de energia limpa e de hidrogénio para a sua produção e, no entanto, até agora não conseguiram captar a atenção suficiente dos mercados financeiros e dos decisores políticos”.

O diretor-geral Adjunto da A4E concluiu ainda que “transformar uma indústria SAF nascente numa indústria que fornecerá a maior parte do combustível para as companhias aéreas é uma tarefa monumental. Para as companhias aéreas, é necessário trabalhar com os aeroportos para ajudar a desenvolver o mercado das SAF; o financiamento tem de fluir para o setor e a indústria da energia tem de levar a sério a transição para o abandono dos combustíveis fósseis”.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
FlixBus abre linhas para Barcelos e Famalicão desde Lisboa e Porto
Transportes
Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens
Eventos Publituris
Expedia Group já pode vender voos da Ryanair
Distribuição
Azul estabelece parceria para aumentar segurança dos pagamentos digitais
Aviação
Turkish Airlines aumenta frequências para as Seicheles
Aviação
Pilotos da Transportes Aéreos de Cabo Verde anunciam greve de uma semana
Transportes
easyJet vai abrir voos para Luxor e Sharm El Sheikh no inverno
Aviação
Saiba quais são os aeroportos mais movimentados do mundo
Transportes
Ilhas Maurícias querem mais viajantes portugueses e CPLP pode ser uma ponte importante
Destinos
Buscas online por museus crescem 50% em Portugal com destaque para exposições imersivas
Destinos
PUB
Transportes

FlixBus abre linhas para Barcelos e Famalicão desde Lisboa e Porto

A FlixBus passou a ligar Barcelos e Famalicão desde Lisboa e Porto, numa nova linha que conta com quatro ligações diárias. Além do Norte do país, a empresa de autocarros de passageiros tem ainda novidades em Évora e mais oferta entre Lisboa e Madrid.

A FlixBus voltou a aumentar a sua rede doméstica em Portugal e passou a ligar Barcelos e Famalicão desde Lisboa e Porto, informou a empresa de autocarros de passageiros, em comunicado.

A nova linha arrancou esta semana e conta quatro ligações diárias, pretendendo dar resposta ao aumento da procura por viagens de autocarro que, de acordo com Pablo Pastega, diretor geral da FlixBus em Portugal e Espanha, “disparou nos últimos meses”.

“A procura por viagens de autocarro disparou nos últimos meses, estando em linha com o crescimento do setor das viagens e turismo em Portugal e na Europa. Os expressos são cada vez mais a primeira opção na hora de viajar”, refere o responsável da FlixBus, realçando que “estas novas linhas vêm dar resposta a este aumento da procura, e inserem-se no plano de estratégico de crescimento da marca em Portugal”.

Além das novidades no Norte do país, a FlixBus passou também a ligar Évora ao Aeroporto de Lisboa duas a quatro vezes por dia, passando a capital alentejana a contar com ligações a dois aeroportos, o de Lisboa e o de Madrid-Barajas.

“Continuamos com a nossa estratégia de reforçar as ligações diretas aos aeroportos nacionais”, acrescenta Pablo Pastega, explicando que o “objetivo é facilitar as viagens de ligação a todos os que viajam de avião”.

Para dar resposta ao aumento da procura sentido, a FlixBus aumentou também o número de ligações entre Lisboa e Madrid, acrescentando uma ligação noturna a esta linha, que passa a contar com 10 ligações por dia.

“Para além de reforçar as ligações à capital espanhola, a FlixBus reforçou também as ligações a Cáceres, Badajoz e Toledo”, refere ainda a empresa de autocarros de passageiros, na informação divulgada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Eventos Publituris

Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens

4 de julho foi a data dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. No dia em que publicamos os melhores momentos na edição em papel, fica aqui o registo digital do evento.

A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards decorreu no passado dia 4 de julho no Pestana Douro Riverside, na primeira vez que os prémios viajaram até à cidade do Porto.

Conhecidos que são os 22 vencedores, em 177 nomeados, e entregue o prémio “Belmiro Santos” a Raul Martins, fica o registo fotográfico no formato digital para ver e rever.

Resta-nos felicitar, mais uma vez, todos os nomeados, dar os parabéns aos vencedores, e agradecer ao mais sponsor novobanco, apoios do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Câmara Municipal do Porto, aos patrocinadores Pestana Hotel Group, Consolidador.com, Mawdy, Europastry, Nescafé, Lufthansa LGSP, Grohe, e aos parceiros GR8 events, Movielight, Multislide, Workgroup.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Expedia Group já pode vender voos da Ryanair

A parceria entre a Ryanair e o Expedia Group vai permitir que, nos próximos meses, os viajantes possam reservar voos da Ryanair diretamente através do Expedia Group.

A Ryanair chegou a acordo com o Expedia Group para que este possa vender os voos e pacotes com ligações aéreas da companhia aérea, numa parceria que entra em vigor nos próximos meses, informou a companhia aérea low cost, em comunicado.

“Esta colaboração permite ao Expedia Group oferecer as tarifas baixas da Ryanair aos seus viajantes, melhorando as escolhas e experiências dos passageiros”, destaca a Ryanair, realçando que o Expedia Group se tornou na mais recente OTA – Online Travel Agency aprovada pela companhia aérea.

Com esta parceria, os clientes da Expedia Group passam a ter acesso às tarifas baixas da companhia aérea e os voos que a Ryanair disponibiliza para mais de 240 destinos, num processo de reserva que também passa a ser simplificado.

Segundo a Ryanair, esta parceria “garante que os viajantes do Expedia Group tenham acesso à sua conta myRyanair e às atualizações essenciais de voos diretamente, sem a necessidade de concluir o processo de verificação de cliente da Ryanair”

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Azul estabelece parceria para aumentar segurança dos pagamentos digitais

A parceria entre a Azul, a Visa e a Cybersource prevê a adoção de “medidas robustas de segurança, protegendo as transações dos clientes contra fraudes e possibilitando um processo de compra mais seguro e confiável”.

A Azul estabeleceu uma parceria com a Visa e com a Cybersource para aumentar a segurança dos pagamentos digitais, numa colaboração que prevê a adoção de “medidas robustas de segurança, protegendo as transações dos clientes contra fraudes e possibilitando um processo de compra mais seguro e confiável”.

“O nosso principal desafio é proporcionar a melhor experiência de voo para os nossos clientes e garantir altos níveis de segurança tanto na autenticação de contas quanto nas transações. A implementação de tecnologias avançadas de prevenção a fraudes, como o Decision Manager da Cybersource, tem sido fundamental para atingirmos esse objetivo”, afirma Gisele Cristina Marquesim, Gerente de Prevenção de Fraudes da Azul.

Segundo Fernando Pantaleão, vice-presidente de Vendas e Soluções para Comércios da Visa no Brasil, as “ferramentas inovadoras” que a Visa disponibiliza “utilizam inteligência artificial e machine learning para facilitar o processo de compra de passagens aéreas da Azul”.

“Por trás dos bastidores, estamos analisando milhares de variáveis de dados, permitindo que a Azul se foque no bem-estar dos seus passageiros”, acrescenta o responsável, citado num comunicado divulgado esta quarta-feira, 17 de julho.

A companhia aérea explica que a “Visa e a Cybersource continuam a ser parceiros estratégicos na missão da Azul para oferecer uma experiência de compra segura e sem complicações, reforçando o compromisso da companhia aérea com a inovação e a segurança no comércio eletrónico”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Turkish Airlines aumenta frequências para as Seicheles

A partir de 28 de outubro, a Turkish Airlines passa de três para quatro voos por semana entre Istambul e as Seicheles, numa operação que passa a contar com ligações às segundas, quartas, sextas e sábados.

A Turkish Airlines anunciou um aumento de frequências para as Seicheles a partir de 28 de outubro, passando a companhia aérea turca a disponibilizar quatro voos por semana para o destino, em vez das atuais três frequências semanais.

Numa nota enviada à imprensa, a Turkish Airlines indica que, com o aumento anunciado, passa a contar com voos para as Seicheles às segundas, quartas, sextas e sábados, partindo de Istambul pelas 02h15 para chegar ao destino às 11h10.

Em sentido contrário, os voos da Turkish Airlines partem das Seicheles às 23hoo, chegando à maior cidade da Turquia pelas 06h15, também às segundas, quartas, sextas e sábados, sendo os horários referidos locais.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Pilotos da Transportes Aéreos de Cabo Verde anunciam greve de uma semana

Os pilotos de voos internacionais da Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) vão realizar uma greve de uma semana, de 24 a 30 de julho, após o Governo não cumprir compromissos com a classe, anunciou o sindicato.

Publituris

Em declarações à imprensa um dia após entregar um pré-aviso de greve na Direção Geral do Trabalho, o sindicalista avançou que o ministro solicitou ao sindicato a alteração das datas para cumprir os compromissos, tendo este aceitado, e disse que “já não há mais margens” para negociações.

“Houve um conjunto de compromissos com datas que o ministro [do Turismo e Transportes] assumiu em sede de concertação entre o sindicato, o Governo e a administração da empresa, e que até agora não foram cumpridos”, explicou o presidente do Sindicato Nacional do Pilotos da Aviação Civil (SNPAC), Edmilson Aguiar.

Em abril, os 32 pilotos de voos internacionais da companhia área pública cabo-verdiana anunciaram uma greve de seis dias, mas chegaram a um acordo com a companhia e desconvocaram a paralisação.

Entre as reivindicações da classe, estão questões ligadas à segurança operacional, atrasos no processamento de salários, a inexistência de um programa de segurança, proteção da saúde e higiene no trabalho, uma redução de subsídios e cancelamento de consultas médicas.

A TACV, que opera com o nome comercial Cabo Verde Airlines (CVA), realiza voos internacionais para Portugal, França e Itália.

Em fevereiro, alugou dois aviões modelo ATR para salvar as rotas domésticas, depois de a concessionária Bestfly ter deixado o país, mas, apesar de haver uma melhoria global do serviço, mantêm-se várias queixas sobre falhas na operação.

A companhia está numa fase de mudança da administração, em que o economista e atual presidente do Fundo Soberano de Garantia de Investimento Privado, Pedro Barros, vai assumir a presidência, substituindo Sara Pires.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet vai abrir voos para Luxor e Sharm El Sheikh no inverno

Luxor e Sharm El Sheikh, no Egito, assim como Oslo, capital da Noruega, são os novos destinos que a easyJet lançou para o próximo inverno, em voos à partida do Reino Unido.

Publituris

A easyJet vai abrir duas novas rotas entre o Reino Unido e o Egito, passando a ligar Gatwick a Luxor a partir de 11 de novembro, assim como Liverpool e a estância turística de Sharm El Sheikh, a partir de 14 de fevereiro.

De acordo com a publicação britânica Travel Weekly, ambas as rotas vão contar com dois voos por semana, decorrendo a ligações a Luxor às segundas e quintas-feiras, enquanto os voos desde Liverpool para Sharm El Sheikh são às segundas e sextas-feiras.

Além dos dois novos destinos no Egito, a easyJet anunciou também a abertura de voos entre Manchester e Oslo, capital da Noruega, que arrancam a 15 de novembro, bem como desde Liverpool para Oslo, com início a 29 de novembro.

As novas rotas da easyJet para a capital da Noruega também vão contar com dois voos por semana, com as ligações a decorrerem, em ambos os casos, às segundas e sextas-feiras.

“Estamos muito satisfeitos por lançar ainda mais novas rotas desde aeroportos em todo o Reino Unido para uma fantástica variedade de destinos de lazer, o que significa que estamos agora a oferecer mais de 41 novas rotas, incluindo três novos destinos na nossa rede a partir deste inverno”, afirma Ali Gayward, country manager da easyJet no Reino Unido.

Os novos voos para o inverno estão já a ser comercializados pela easyJet Holidays, o operador turístico que pertence à companhia aérea low cost, que está a oferecer pacotes para Luxor, alguns dos quais com cruzeiro no Nilo incluído, assim como para oferta de city-break em Oslo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Saiba quais são os aeroportos mais movimentados do mundo

De acordo com a análise da Airports Council International (ACI) World, o aeroporto mais congestionado do mundo fica em Atlanta, nos EUA, com mais de 104 milhões de passageiros a transitarem pelo mesmo.

Publituris

Em 2023, a movimentação global de passageiros em todo o mundo ficou perto dos 8,7 mil milhões, correspondendo a uma subida de 30,5% face ao ano de 2022 e uma recuperação para 94,2% relativamente a 2019., “impulsionado por um ressurgimento contínuo do tráfego internacional”, salienta a Airports Council International (ACI) World. “Este segmento foi impulsionado por vários fatores, incluindo os benefícios antecipados da reabertura dos mercados asiáticos e uma inclinação crescente para viajar, apesar das condições macroeconómicas”, refere ainda a ACI World, considerando, contudo, o presidente da entidade, Luis Felipe, que “qualquer que seja a posição que um aeroporto ocupe na classificação, cada um deles é parte integrante das comunidades que serve. Os aeroportos são resilientes, adaptáveis e apoiam o desenvolvimento social e económico”.

O ranking da ACI World analise 2.700 aeroportos em 185 países e territórios e revela que os Top 20 representa 16% do tráfego global (1,41 mil milhões de passageiros), correspondendo a um crescimento de 26,4% face a 2022 e uma recuperação para 96,8% relativamente a 2019.

No topo do ranking da ACI World surge o Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport, nos EUA, com mais de 104 milhões de passageiros, seguido do DXB do Dubai com perto de 87 milhões, finalizando o pódio com outro aeroporto dos EUA, neste caso, o Fort Worth de Dallas com 81,8 milhões de passageiros.

De referir que oito dos 20 aeroportos mais movimentados encontram-se nos EUA, embora todos registam quotas significativas de tráfego doméstico (entre 70% e 95%).

A maior subida foi registada pelo Incheon International Airport (Coreia do Sul), tendo passado da 99.ª posição, em 2022, para o 20.º lugar, em 2023.

No que diz respeito ao movimento de aeronaves, 2023 registou perto de 96 milhões, representando um aumento de 12,6% face a 2022 e uma recuperação para 92,8% relativamente a 2019.

Os 20 aeroportos com mais movimentação de aeronaves, representando 11% do tráfego global (10,5 milhões movimentos), registaram uma subida de 12,12% face a 2022, resultando numa recuperação para 95,3% dos níveis pré-pandemia (11 milhões de movimentos).

Neste ranking, a liderança pertence, também ao Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport com mais de 775 mil movimentos (em 2019 foram 904 mil movimentos), seguindo-se o aeroporto Chicago O’Hare com pouco mais de 720 mil movimentos, fechando o Fort Worth de Dallas, com 689 mil movimentos, o Top 3.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Prithvirajsing Roopun, Presidente da República das Ilhas Maurícias

Destinos

Ilhas Maurícias querem mais viajantes portugueses e CPLP pode ser uma ponte importante

De visita oficial ao nosso país, o Presidente das Ilhas Maurícias, Prithvirajsing Roopun, aproveitou a ocasião para se encontrar com diversos agentes do setor do turismo português. Numa apresentação do destino, Prithvirajsing Roopun salientou que as Ilhas Maurícias registaram uma recuperação excecional pós-pandemia e espera que Portugal contribua para a consolidação do turismo no país, referindo que “estamos em Portugal não só para falar de negócios, mas também de experiências”.

Victor Jorge

Com uma população de 1,2 milhões de habitantes, as Ilhas Maurícias receberam, em 2023, 1,3 milhões de viajantes. Viajantes, porque a Autoridade de Promoção Turística da Maurícia (MTPA) pela voz do seu diretor, Arvind Bundhun, bem como pelo Presidente das Ilhas Maurícias, Prithvirajsing Roopun, admitem que “não queremos simplesmente turistas. Queremos viajantes, pessoas que se envolvam com a comunidade e que procuram as experiências que proporcionamos a quem nos visita”.

A convite do Chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, Prithvirajsing Roopun revelou na apresentação realizada em Lisboa que “tivemos reuniões muito positivas com a AICEP e com representantes do turismo em Portugal e convidámos Portugal a fazer parte do desenvolvimento do turismo nas Ilhas Maurícias”.

“O que já alcançámos ainda é pouco relativamente ao que queremos alcançar enquanto destino turístico, mas a sensação de hospitalidade e bem receber unem-nos e temos de aproveitar esta realidade”, considerou o Presidente das Ilhas Maurícias, assinalando ainda que “isso só se consegue numa situação win-win” e que “através desta visita criámos pontes e fazer crescer esta relação e o turismo é parte fundamental”.

Na apresentação do destino ficou claro que as ilhas Maurícias nunca serão – nem querem – ser um destino de turismo de massas e que tem muito mais para oferecer do que as praias. Para tal, há todo um leque de atividades, experiências e segmentos a explorar que incluem, além da já referida praia, a natureza, casamentos, MICE, cultura, luxo, gastronomia, wellness, golfe e cruzeiros.

Não existindo ligação direta entre Portugal e as Ilhas Maurícias, “algo que gostaríamos que fosse alterado, até pela proximidade com Moçambique e pelo voo direto que a TAP disponibiliza para Maputo”, Arvind Bundhun revelou que “o crescimento de visitantes portugueses tem sido assinalável, passando dos 1.500, em 2019, para 2.500, em 2022, atingindo os 5.000 no ano passado”, admitindo que o objetivo é aumentar este número de forma sustentável.

Arvind Bundhun, Autoridade de Promoção Turística da Maurícia (MTPA)

Atualmente, o diretor da MTPA considera ser “importante haver voos ponto-a-ponto, mas não existindo, temos de encontrar alternativas”, destacando a estratégia de hubs disponibilizada pela Emirates e Turkish Airlines, existindo ainda voos oferecidos pela Air Mauritius, Kenya Airways ou voos sazonais da NEOS ou Iberojet, admitindo, no entanto, que “a forma mais fácil e rápida de chegas às ilhas é através do aeroporto Charles de Gaulle (Paris, França)”.

Apostando na diversificação, inclusão e autenticidade do destino, Arvind Bundhun assinalou existir “muito potencial nos mercados emissores mais pequenos como Portugal e é nestes que estamos a apostar, com estratégias bem definidas e constantes”.

Mas é de França que a maioria dos viajantes chegam às Ilhas Maurícias, representando, em 2023, cerca de 30% do total, seguida do Reino Unido.

Com uma oferta de 114 hotéis licenciados e não mais de 15.000 camas na hotelaria, número que cresce para 30.000 contabilizados a restante oferta de alojamento, tanto o diretor da Autoridade de Promoção Turística da Maurícia como o Presidente da República salientaram que “temos todo o cuidado com o desenvolvimento e crescimento do turismo”, até porque “não queremos um turismo massificado e já sentimos o impacto das alterações climáticas”.

Com uma estadia média que passou de 9 noites, em 2019, para 13 noites, em 2023, e as receitas a subirem 25% de 2022 para 2023, Arvind Bundhun admitiu que “sabemos bem a importância da sustentabilidade e do impacto que os voos de longo curso têm na pegada climática”.

Por isso, Arvind Bundhun concluiu que, “a nossa meta é chegar aos 2 milhões de viajantes nos próximos 10 anos. Mas também nos perguntamos se realmente queremos atingir esse número sem prejudicar o nosso ecossistema e, fundamentalmente, que habita o nosso território”.

Em cima da mesa, e para concluir, esteve também a adesão das Ilhas Maurícias à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que Marcelo Rebelo de Sousa, de resto, defendeu quando se encontrou com o seu homólogo Prithvirajsing Roopun e que, segundo o mesmo, é importante “encorajar os estudantes mauricianos a aprenderem português, com o apoio da CPLP”, já que pode “ajudar as relações com Moçambique”, país lusófono mais próximo das Ilhas Maurícias, e “assim, criar mais uma ponte com Portugal”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Buscas online por museus crescem 50% em Portugal com destaque para exposições imersivas

Segundo uma pesquisa da Preply, só o Museu Nacional do Azulejo, o Museu Nacional de Arte Antiga e a Fundação Calouste Gulbenkian geraram mais de 100 mil pesquisas online no ano passado.

Publituris

A procura na internet por museus em Portugal registou um aumento de 50% no ano passado, avança a Preply, que destaca as buscas pelos museus tradicionais como o Museu Nacional do Azulejo, o Museu Nacional de Arte Antiga e a Fundação Calouste Gulbenkian, assim como por exposições imersivas.

Segundo a pesquisa da Preply, só estes três museus – Museu Nacional do Azulejo, Museu Nacional de Arte Antiga e Fundação Calouste Gulbenkian – geraram mais de 100 mil pesquisas no período em questão.

No caso dos museus, os três mais procurados online localizam-se em Lisboa, enquanto o Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, ficou na quarta posição, seguindo-se o Museu da Marinha; Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia; Museu Nacional do Traje; Museu da Carris; Museu do Tesouro Real  e Museu Nacional de História Natural e da Ciência, todos localizados em Lisboa.

“Algo que o ranking de museus mais pesquisados no país evidencia é como, de maneira geral, os centros culturais de maior interesse tendem a concentrar-se numa localidade específica: Lisboa, cujas atrações refletem a popularidade de uma região tão visitada pelos habitantes de outros distritos”, lê-se num comunicado da Preply.

A procura por exposições e instalações específicas também se tem destacado, com a Preply a indicar que o destaque foi para a busca por “experiências interativas como “Dalí: Cybernetics” e “Frida Kahlo, a Biografia Imersiva””.

A pesquisa da Preply procurou também apurar quais são os museus localizados fora do país que os portugueses mais procuram na internet e concluiu que o Museu do Louvre, em Paris, lidera as buscas, seguindo-se o Museu do Prado, em Madrid, o Museu de Orsay, também em Paris; e o Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.