Edição digital
Assine já
PUB
Distribuição

Soltrópico anuncia novidades para o fim de ano na Madeira e Porto Santo

O operador turístico Soltrópico, juntou os agentes de viagens, esta terça-feira, no Espaço da Madeira, em Lisboa, para um momento de convívio e network a que designou de “Arraial de São João – Porto Santo, mas também para fazer o ponto da situação da sua operação charter e regular para a região, e apresentar as novidades da programação. Entre as novidades, destaque para o anúncio das operações de fim de ano para o Funchal e Porto Santo, que estarão disponíveis no mercado próximos dias.

Carolina Morgado
Distribuição

Soltrópico anuncia novidades para o fim de ano na Madeira e Porto Santo

O operador turístico Soltrópico, juntou os agentes de viagens, esta terça-feira, no Espaço da Madeira, em Lisboa, para um momento de convívio e network a que designou de “Arraial de São João – Porto Santo, mas também para fazer o ponto da situação da sua operação charter e regular para a região, e apresentar as novidades da programação. Entre as novidades, destaque para o anúncio das operações de fim de ano para o Funchal e Porto Santo, que estarão disponíveis no mercado próximos dias.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados

A Soltrópico, em parceria com a Associação de Promoção da Madeira (APM), promoveu, no Posto de Informação e Turismo da Madeira, em Lisboa, o Arraial de São João – Porto Santo, com agentes de viagens, que serviu para, conforme disse aos jornalistas, Sandro Lopes, diretor de vendas do operador turístico, “fazer uma ativação de marca juntamente com a Madeira, trazer os agentes de viagens para conhecer a Casa da Madeira em Lisboa, que tem uma decoração muito interessante,  experienciar a região, e ao mesmo tempo ter o feedback dos nossos clientes em relação ao nosso serviço”.

Sandro Lopes aproveitou a ocasião para anunciar a operação de fim de ano para a Madeira e Porto Santo, que estará disponível no mercado nos próximos dias.  Para o Funchal, onde a Soltrópico estará sozinha, a operação do Réveillon terá saídas de Lisboa e do Porto no dia 28 de dezembro e não a 29 como habitualmente acontecia, com regressos a 1 de janeiro e não a 2, em estadas de quatro noites.

Já para o Porto Santo, o que acontece pelo segundo ano, o responsável da Soltrópico revelou que, em parceria com a Abreu, irá realizar um voo à partida de Lisboa, dia 30 de dezembro, em estada de três noites. Trata-se, segundo Sandro Lopes, de “um produto que tem tido algum crescimento, também porque Funchal tem cada vez mais procura e, as famílias portuguesas também procuram, dentro deste ambiente de um clima muito ameno e positivo, outras opções e Porto Santo, com algumas atividades e com um período de descanso bastante interessante”.

Para o Réveillon no Porto Santo, o operador turístico vai trabalhar com todas as unidades hoteleiras da ilha, mas de acordo com o responsável, “sabemos que a procura recai maioritariamente sobre hotéis que permitem o tudo incluído ou que tenham uma festa mais alargada, que é o caso do Vila Baleira, que oferece uma festa até mais tarde e tem o fogo de artifício no areal”.

As “dores de cabeça” do aeroporto de Lisboa

Aos jornalistas, Sandro Lopes fez ainda um balanço, até ao momento, da operação de verão para aquela região, tendo afirmado que “está a correr bem, dentro do normal, com maior volume para o Porto Santo na nossa programação, como é lógico”.

No entanto, explicou o diretor de vendas da Soltrópico, “este ano temos tido algumas dificuldades  no que concerne a tudo o que é slots no aeroporto de Lisboa, o que nos obrigou a fazer uma adaptação na programação, e a dividir a alocação que tínhamos prevista de Lisboa entre sexta, sábado e domingo, o que nos trouxe-nos algumas dificuldades acrescidas”, mas mesmo assim “estamos a conseguir uma boa ocupação e, sobretudo, deixa-nos muito contentes porque é uma operação que queremos muito continuar e aumentar, caso assim a capacidade hoteleira nos permita”. Não obstante, neste momento “estamos acima da performance do ano passado”, ou seja “10% acima”.

Assim, a operação do Porto, que já começou e decorrerá até finais de setembro, são dois voos ao domingo, e a de Lisboa, com a TAP, que também já teve início e vai até meados de outubro, pela questão do aeroporto, uma parte é ao domingo, outra ao sábado e outra à sexta-feira. “Não são os normais lugares de garantia em que podemos devolver caso não sejam vendidos, são lugares que estão garantidos como se fosse num charter normal”, esclareceu.

Com maior procura para o Porto Santo no verão e maior oferta, nomeadamente com a entrada de novos operadores aéreos, será que a Soltrópico, tem sentido alguma dificuldade na contratação de alojamento, que não aumentou? “Digamos que é um processo que eu considero natural, mas nós já temos uma grande contratação, ou um histórico de contratação com os operadores hoteleiros há muitos anos, é natural que, tendo em conta a capacidade aérea que pretendemos colocar no mercado, que consigamos bloquear o espaço necessário para assim proteger o mercado”, sublinhou, para apontar que “em termos dos hotéis mais vocacionados para as férias das famílias, que permitem um all  inclusive, ou estar mais em cima da praia, eu diria que nós e os restantes operadores turísticos nacionais, temos salvaguardado o nosso espaço pelo todo o histórico que nós temos feito ao longo dos anos”.

Operação de verão: crescimento a dois dígitos

Ao fazer um balanço das outras operações de verão do operador turísticos, o responsável destacou que “começámos o ano e tivemos um sentimento de muita surpresa pelo arranque a um ritmo tão elevado, com as vendas antecipadas, no entanto, por volta de maio, o ritmo estagnou um pouco, mas também diria que é um pouco o reflexo do comportamento do consumidor português em consumir antecipadamente para ter acesso a melhores preços, ao quarto que deseja, nos horários que deseja e, portanto, é um reflexo da melhoria do nosso consumo”.

De uma forma geral, adiantou Sandro Lopes, “neste momento estamos a crescer a dois dígitos”, embora o operador turístico tenha “alguns destinos de verão que ainda precisamos de trabalhar para compor mais, nomeadamente Marrocos, mas, de resto, são produtos que estão perfeitamente em linha com a nossa expectativa”, concluiu.

A oferta gastronómica (além de ter sido saboreada pelos presentes), cultural e turística do arquipélago da Madeira, foi apresentada por Catarina Pereira, da Associação de Promoção da Madeira.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
PUB
Aviação

Vietnam Airlines abre nova rota para ligar Hanoi e Phnom Penh

A nova rota da Vietnam Airlines entre Hanói e Phnom Penh arranca a 27 de outubro, com quatro voos por semana entre as duas capitais.

A Vietnam Airlines vai abrir, a 27 de outubro, uma nova rota que vai passar a ligar Hanói, capital do Vietname, a Phnom Penh, capital do Camboja, de forma a dar resposta ao crescimento da procura turística por voos entre os dois países.

A nova rota da Vietnam Airlines, avança o portal VNExpress, vai contar com quatro voos por semana, às segundas, quartas, sextas e domingos, sendo operada num avião Airbus A321.

De acordo com a informação avançada, os novos voos pretendem dar resposta à forte procura turística de voos entre o Vietname e o Camboja, que aumentou depois da COVID-19.

O portal portal VNExpress avança que, nos primeiros seis meses de 2024, o Camboja tornou-se no mercado emissor de  turistas para o Vietname que apresenta um maior crescimento, num aumento que chega aos 396% desde a pandemia, seguindo-se a Índia e a Indonésia, cujos crescimentos chegam aos 312% e 177%, respetivamente.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Vilarinho dos Freires abre concurso para concessão de exploração turística de três imóveis

A entrega de propostas já se encontra a decorrer e pode ser realizada até às 17h00 de 26 de setembro, sendo a concessão de exploração turística válida por 30 anos para os três imóveis disponíveis.

A Junta de Freguesia de Vilarinho dos Freires, no concelho de Peso da Régua, abriu um concurso para concessão de exploração turística de três imóveis, situados no lugar de Presegueda.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa pela Junta de Freguesia de Vilarinho dos Freires, “estes imóveis possuem um elevado potencial de reconversão para estabelecimentos hoteleiros ou projetos de turismo em espaço rural, sendo uma oportunidade única para investidores que desejem apostar no crescente mercado do turismo na região do Douro”.

A entrega de propostas já se encontra a decorrer e pode ser realizada até às 17h00 de 26 de setembro, sendo a concessão de exploração turística válida por 30 anos para os três imóveis disponíveis.

“O conjunto dos imóveis, com localização contígua, dispõe de projetos de reabilitação aprovados, totalizando uma oferta de 29 quartos. Localizados em Área de Reabilitação Urbana (ARU), estes imóveis beneficiam de vantagens fiscais e financeiras aplicáveis às obras de reabilitação. Este projeto, cujo investimento previsional é de 2.500.000 €, pode ser alterado pelos concorrentes, desde que se mantenham os princípios e finalidades com que foram desenvolvidos, bem como o respeito pelo disposto no Plano Diretor Municipal (PDM) de Peso da Régua”, lê-se na informação divulgada.

Segundo Tiago Ferreira, diretor Executivo da Aliados Consulting, parceira da Junta de Freguesia de Vilarinho dos Freires, “esta é uma oportunidade imperdível para investidores que procuram entrar no mercado turístico numa das regiões mais emblemáticas de Portugal”.

“Os imóveis disponíveis apresentam características ideais para a criação de estabelecimentos diferenciadores, que poderão atrair visitantes de todo o mundo, impulsionando assim a economia local”, refere o responsável, considerando que a transformação dos edifícios num hotel boutique “constitui uma interessante oportunidade de negócio por se tratar de uma das regiões de turismo com maior procura”.

Situada no coração do Alto Douro Vinhateiro, região classificada como Património Mundial da UNESCO, a freguesia de Vilarinho dos Freires é conhecida pelas tradições e história, bem como pelo património vinícola.

“Este concurso de concessão representa uma oportunidade extraordinária para desenvolver o potencial turístico da nossa região, trazendo benefícios económicos e culturais significativos. Estamos empenhados em colaborar com investidores que partilhem a nossa visão de valorização e preservação do património do Douro” salienta o presidente da Junta de Freguesia, Sérgio Cabral Correia.

Através do website da Junta de Freguesia de Vilarinho dos Freires, disponível aqui, é possível consultar mais informações sobre os imóveis que estão agora em concurso para concessão de exploração turística, sendo que também a Aliados Consulting estará disponível para prestar assistência aos potenciais compradores, fornecendo todas as informações necessárias e esclarecendo quaisquer dúvidas que possam surgir durante o processo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Proveitos no alojamento turístico ultrapassam os 2MM€ até maio

A subida em 9,4% nos hóspedes e 7,5% nas dormidas, face a maio de 2023, fazem com que os proveitos totais ascendam a mais de 660 milhões de euros. No acumulado do ano, o valor já ultrapassou os 2 mil milhões de euros.

Em maio de 2024, o setor do alojamento turístico registou 3,1 milhões de hóspedes e 7,7 milhões de dormidas, correspondendo a subidas de 9,4% e 7,5%, respetivamente, face a igual mês de 2023. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), os proveitos totais ascenderam a 660,8 milhões de euros, equivalendo a uma subida de 15,5% em comparação com o quinto mês do ano passado, enquanto os proveitos referentes aos apostos totalizaram 505,9 milhões de euros de proveitos, uma subida igual aos proveitos totais.

No acumulado do ano 2024 – de janeiro a maio -, as dormidas registaram um crescimento de 4,4%, atingindo 27,7 milhões, dando origem a aumentos de 12,2% nos proveitos totais e de 11,9% nos de aposento. Este aumento deveu-se, principalmente, às dormidas de não residentes, que cresceram 5,9%, enquanto as de residentes registaram um crescimento mais modesto (+0,9%).

Assim, os proveitos totais no alojamento turístico em Portugal atingiram, no acumulado do ano, 2.080 milhões de euros, uma subida de 12,2% face a igual período de 2023, sendo que nos proveitos nos aposentos, a subida de 11,9% em comparação com os primeiros cinco meses do ano passado, permitiu chegar-se aos 1.560 milhões de euros.

Considerando a generalidade dos meios de alojamento (estabelecimentos de alojamento turístico, campismo e colónias de férias e pousadas da juventude), registaram-se 3,3 milhões de hóspedes e 8,3 milhões de dormidas em maio, refletindo crescimentos de 9,2% e 7,5%, respetivamente. As dormidas de residentes aumentaram 7,9% e as de não residentes cresceram 7,4%.

Dos mais de 2 milhões de hóspedes não residentes, em maio de 2024, a liderança pertence ao Reino Unido com pouco mais de 277 mil, seguido pelos EUA com mais de 263,6 mil, aparecendo a Alemanha a fechar o pódio com 199,3 mil. No acumulado do ano – janeiro a maio de 2024 -, a liderança pertence, igualmente ao Reino Unido (874 mil hóspedes), seguido pelo EUA (779 mil) e Espanha (778 mil).

Já nas dormidas dos não residentes, o Reino Unido mantém a liderança com 1,1 milhões, seguido pela Alemanha (680 mil) e EUA (585 mil). Nas contas acumuladas dos primeiros cinco meses do ano, destaque para o Reino Unido, único mercado a ultrapassar as 3,5 milhões de dormidas, enquanto o segundo lugar pertence à Alemanha com 2,4 milhões de dormidas, seguida pelos EUA com 1,75 milhões.

Lisboa puxa pelo turismo
A Grande Lisboa continuou a ser a região que mais contribuiu para a globalidade dos proveitos, com 33% dos proveitos totais e 35,2% dos proveitos de aposento, seguida do Algarve (23,6% e 21,7%, respetivamente) e do Norte (16,9% e 17,5%, pela mesma ordem).

Todas as regiões registaram crescimentos nos proveitos, com os maiores aumentos a ocorrerem nos Açores (+26,3% nos proveitos totais e +28,5% nos de aposento), na Península de Setúbal (+23,8% e +25,5%, respetivamente), no Alentejo (+21,9% e +21,3%, pela mesma ordem) e na Madeira (+20,7% e +22,5%, respetivamente).

Em maio, o crescimento dos proveitos acelerou nos três segmentos de alojamento. Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (pesos de 86,7% e 85% no total do alojamento turístico, respetivamente) aumentaram ambos 14,4%.

Nos estabelecimentos de alojamento local, registaram-se aumentos de 22,5% nos proveitos totais e 21,8% nos proveitos de aposento (quotas de 9,6% e 11,4%, respetivamente).

No turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 3,7% nos proveitos totais e de aposento), os aumentos foram de 23,2% e 22,7%, respetivamente.

Do total de 7,7 milhões de dormidas (+7,5%) nos estabelecimentos de alojamento turístico, 61,4% concentraram-se nos 10 municípios com maior número de dormidas em maio.

O município de Lisboa concentrou 19,8% do total de dormidas, atingindo 1,5 milhões (+5,4%, após +0,9% em abril). As dormidas de residentes decresceram ligeiramente (-0,2%), tendo as dormidas de não residentes apresentado um aumento de 6,3%. Este município concentrou 22,9% do total de dormidas de não residentes em maio.

Albufeira foi o segundo município em que se registaram mais dormidas (819,4 mil dormidas, peso de 10,7%), voltando a registar um aumento (+3,3%), após o decréscimo de 13,4% no mês anterior. As dormidas de residentes tiveram o crescimento mais expressivo (+14,3%) entre os principais municípios, enquanto as de não residentes registaram um acréscimo mais modesto (+1,8%).

No Porto, as dormidas totalizaram 616,1 mil (8% do total), tendo-se observado um crescimento de 7,8% (-0,5% em abril), com o contributo das dormidas de não residentes (+9,2%), dado que as de residentes decresceram 0,5%.

O Funchal (561,8 mil dormidas, peso de 7,3%) apresentou um crescimento de 5% (+0,6% em abril), para o qual contribuíram as dormidas de não residentes (+6,7%), tendo em conta que as dormidas de residentes diminuíram 6,3%.

Em resumo, em todos os 10 municípios com maior número de dormidas em maio, as dormidas de não residentes superaram as dos residentes.

Entre os 10 principais municípios, Ponta Delgada continuou a destacar-se com o maior crescimento (+18,3%), para o qual contribuíram as evoluções positivas das dormidas de residentes (+6,8%) e, sobretudo, as de não residentes (+25%).

Face aos crescimentos das dormidas registados em Portugal, em maio de 2024 destacaram-se, entre os principais, os municípios de Ponta Delgada, Portimão e Porto, em termos de dormidas de não residentes. Por sua vez, Albufeira, Loulé e Cascais foram os que se mais se distanciaram positivamente da média nacional em termos de crescimento das dormidas de residentes.

ADR com novos máximos históricos na Grande Lisboa e no Norte
No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) atingiu 78,3 euros em maio, registando um aumento de 12% (-0,5% em abril).

O valor de RevPAR mais elevado foi registado na Grande Lisboa (138,1 euros), tendo atingido um novo máximo histórico nesta região. Seguiu-se a Madeira com 92,5 euros. Os maiores crescimentos ocorreram na Península de Setúbal (+22%) e nos Açores (+20,2%), enquanto os menos expressivos se verificaram no Centro (+3,4%), na Grande Lisboa (+10%) e no Norte (+10,1%).

Em maio, este indicador cresceu 13% na hotelaria (+0,6% em abril). No alojamento local e no turismo no espaço rural e de habitação, registaram-se crescimentos de, respetivamente, 10,9% e 14,1% (-4,2% e -2,6%, em abril, pela mesma ordem).

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 123 euros (+9,4%, após +4,1% em abril).

A Grande Lisboa destacou-se com o valor mais elevado de ADR (171,4 euros), seguida do Norte (118,8 euros), tendo sido atingidos novos máximos históricos em ambas as regiões. Este indicador registou crescimento em todas as regiões, com os maiores aumentos a ocorrerem na Madeira (+18,4%), na Península de Setúbal (+14,2%) e na Grande Lisboa (+11,2%).

Em maio, o ADR cresceu em todos os segmentos, +9,5% na hotelaria (+3,9% em abril), +9,6% no alojamento local (+3,5% em abril) e +8,5% no turismo no espaço rural e de habitação (+11,8% em abril).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

BestEvents organiza nova feira de viagens no Porto em 2025

A BestEvents vai organizar, entre 22 e 23 de março de 2025, a FLY, uma nova feira de viagens que vai decorrer na Alfândega do Porto.

A BestEvents vai organizar, entre 22 e 23 de março de 2025, a FLY, uma nova feira de viagens que vai decorrer na Alfândega do Porto, informou a empresa de eventos em comunicado.

“Durante dois dias, a feira reunirá agências de viagem, marcas, produtos e agentes turísticos”, destaca a BestEvents, explicando que esta “feira promete ser o cenário ideal para quem pretende divulgar os destinos que tem em carteira e fechar negócios junto do consumidor final”.

Além da área expositiva, a BestEvents diz que está a “preparar uma programação marcante para que o visitante encontre um evento de experiências”, capaz de oferecer também uma “viagem pelo mundo através dos sabores, tradições, cultura e música dos quatro cantos do planeta”.

“O espaço também contará, ainda, com uma zona de espetáculos e animações culturais, proporcionando uma imersão profunda na cultura de cada destino. Haverá a oportunidade de experimentar sabores e a cultura gastronómica de diferentes destinos internacionais presentes no evento. O evento contará com uma programação marcante e abrangente”, refere ainda a BestEvents.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Aeroportos nacionais mantiveram tendência de crescimento em maio

Os aeroportos nacionais receberam, em maio, 6,5 milhões de passageiros e 22,3 mil aeronaves, números que traduziram aumentos de +6,3% e +2,8%, respetivamente, e que mantiveram a tendência de crescimento que se vinha a verificar desde o início do ano, segundo o INE.

Os aeroportos nacionais receberam, em maio, 6,5 milhões de passageiros e 22,3 mil aeronaves em voos comerciais, números que traduziram aumentos de +6,3% e +2,8%, respetivamente, e que mantiveram a tendência de crescimento que se vinha a verificar desde o início do ano, indicam os dados divulgados esta segunda-feira, 15 de julho, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“No início de 2024 continuaram a verificar-se máximos históricos nos valores mensais de passageiros nos aeroportos nacionais. Em maio de 2024, registou-se o desembarque médio diário de 106,4 mil passageiros, valor superior em 6,2% ao registado em maio de 2023 (100,2 mil)”, lê-se no comunicado divulgado pelo INE.

Entre os passageiros desembarcados nos aeroportos nacionais, 82,4% corresponderam a tráfego internacional, num total de 2,7 milhões de passageiros, o que indica um aumento de 6,3%, sendo a maioria destes passageiros proveniente do continente europeu (69,9%), numa subida de 5,3% face a maio de 2023.

O INE diz ainda que “o continente americano foi a segunda principal origem” dos passageiros internacionais desembarcados em Portugal em maio, concentrando 8,8% do total de passageiros desembarcados (+9,7%).

No que diz respeito aos passageiros embarcados, 82,0% corresponderam a tráfego internacional, num de 2,6 milhões de passageiros e com um aumento de 6,7%, sendo que, destes passageiros, 70,4% tinham como principal destino aeroportos no
continente europeu, o que evidencia um crescimento de 5,4% face a maio de 2023.

Tal como nos passageiros desembarcados, acrescenta o INE, também nos embarcados “os aeroportos no continente americano foram o segundo principal destino”, correspondendo a 8,1% do total e com um crescimento de 13,9%.

Passageiros crescem 5,1% desde o início do ano

Os dados do INE mostram também que, desde o início do ano, o número de passageiros movimentados nos aeroportos nacionais tem continuado a crescer e subiu já 5,1% face ao mesmo período de 2023, somando 26,174 milhões, com destaque para o aeroporto de Lisboa.

Segundo o INE, o aeroporto de Lisboa movimentou 52,0% do total de passageiros nos primeiros cinco meses do ano, o que representa 13,6 milhões de passageiros e traduz uma subida de 5,6% comparativamente ao mesmo período de 2023.

Já o aeroporto do Porto concentrou 22,8% do total de passageiros movimentados, cerca de seis milhões de passageiros, o que representa um crescimento de 5,6% face ao mesmo período do ano passado, enquanto o aeroporto de Faro registou ainda um aumento de 2,6% no movimento de passageiros, totalizando 3,2 milhões.

Por nacionalidades de passageiros, o INE destaca o Reino Unido, que foi o “principal país de origem e de destino dos voos”, considerando o volume de passageiros desembarcados e embarcados em voos internacionais nos primeiros cinco meses de 2024.

Segundo o INE, o mercado britânico apresentou um crescimento de 2,4% no número de passageiros desembarcados e de 2,8% nos passageiros embarcados, face aos cinco primeiros meses de 2023.

Em sentido contrário, acrescenta o INE, esteve a França, que registou decréscimos no número de passageiros desembarcados (-2,1%) e embarcados (-2,4%), ocupando a segunda posição deste ranking, no qual se seguem a Espanha, a Alemanha e a Itália.

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Meeting Industry

FITUR Sports quer definir o futuro do turismo desportivo

De 22 a 26 de janeiro na IFEMA MADRID, a FITUR 2025 acolhe a terceira edição da sua seção de turismo desportivo. As áreas principais serão o desporto ao ar livre, o desporto de competição e os eventos desportivos e as viagens de negócios desportivas.

A FITUR anuncia a terceira edição consecutiva da FITUR Sports após entrada na agenda de eventos essenciais para os profissionais do turismo desportivo. Organizada pela IFEMA MADRID e SPAIN IS SPORT – AFYDAD, a Associação Espanhola de Fabricantes e Distribuidores de Artigos Desportivos, a seção aproveitará as sinergias da Feira Internacional de Turismo de 22 a 26 de janeiro de 2025.

Após as duas primeiras edições, esta é uma das áreas da FITUR que se consolidou como um evento especializado de referência nacional e internacional, consolidando a ligação entre o turismo e o desporto como um motor fundamental do desenvolvimento socioeconómico.

A FITUR Sports tem como objetivo “promover o intercâmbio de conhecimentos através de um programa de conferências e gerar oportunidades de negócio”, refere a organização da feira. Para tal, foram definidas três áreas-chave em torno das quais girarão os conteúdos: Desporto Outdoor, Desporto de Competição e Desporto Eventos e Viagens de Negócios Desportivas.

Além disso, a FITUR Sports conseguiu envolver os principais atores públicos e privados, incluindo o Conselho Superior de Desportos (Conselho Superior de Desportos), Turespaña, UNWTO, CEOE, ADESP, bem como as diferentes federações e associações profissionais ligadas ao desporto e ao turismo, além dos principais patrocinadores.

De referir que a FITUR Sports 2024 estendeu-se pelos cinco dias da feira, com três dias profissionais com 30 sessões, 100 oradores e mais de 20 horas de conteúdos, com mais de mil visitantes por dia, além da área de exposição e a área de networking localizada num campo de padel. Para além disso, a transmissão streaming online atingiu mais de 8.000 visualizações durante os três dias, “o que demonstra o elevado interesse gerado pelo programa”, conclui a organização da feira de Madrid.

Entre o programa já definido contam-se as seguintes sessões:

Quarta-feira 22 de janeiro: Desporto e turismo ativo ao ar livre. Dinâmicas emergentes, gestão de destinos, desenvolvimento de produtos e experiências, sustentabilidade, marketing e comercialização.

Quinta-feira 23 de janeiro: Desporto profissional e de competição. Neste segundo dia, especialistas na matéria abordarão os desportos de equipa, os campos de treino, os torneios, campeonatos, golfe, as necessidades do atleta de elite, viagens de equipas de competição, viagens médicas e tendências em resorts e equipamentos de turismo desportivo.

Sexta-feira 24 de janeiro: Estratégias, impacto e legado dos eventos desportivos. O último dia profissional será encerrado com a abordagem de temas como os eventos desportivos e grandes eventos participativos, bilhética e experiências de hospitalidade, VIP, Sports Marketing Travel e MICE & Sports (viagens de negócios no setor desportivas), bem como as sinergias a explorar entre as marcas, o retalho e o turismo desportivo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turkish Airlines
Aviação

Turkish Airlines abre nova rota para Turim

A nova rota da Turkish Airlines para Turim, o 9.º destino da companhia aérea turca em Itália, arrancou na passada quarta-feira, 10 de julho, e conta com voos diários.

A Turkish Airlines abriu uma nova rota entre Istambul e Turim, em Itália, na passada quarta-feira, 10 de julho, destino que passa a ser o nono operado pela companhia aérea turca no país e o 349.º em todo o mundo.

Segundo um comunicado publicado no website da companhia aérea, a nova rota para Turim conta com voos diários, que partem de Istambul pelas 07h15 às segundas, terças, quintas e sábados, chegando a Turim às 09h20, enquanto em sentido contrário as partidas da cidade italiana são às 10h15 para chegar a Istambul às 14h10.

Já nas quartas, sextas e domingos, os voos da Turkish Airlines partem de Istambul às 17h00 e chegam a Turim pelas 19h05, enquanto a viagem de regresso à Turquia tem partida marcada para as 20h00, chegando à Istambul pelas 23h55.

“Estamos felizes por adicionar Turim à nossa extensa rede de voos como o nosso 349.º destino. Ao reforçar os nossos laços com Itália com a nossa nona presença, os passageiros do noroeste de Itália poderão desfrutar da rede de voos incomparável da nossa companhia aérea durante as suas viagens, enquanto os nossos passageiros de todo o mundo terão a oportunidade de experimentar as maravilhas de Turim”, congratula-se Bilal Ekşi, CEO da Turkish Airlines.

Localizada no norte de Itália, a cidade de Turim é famosa pela história e pela arquitetura barroca, sendo também um importante polo para a indústria automobilística, o que torna esta cidade um destino de turismo de lazer e negócios.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

LAM reprograma voos devido a revisão de avião Boeing 737-700

A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique anunciou a revisão pontual do avião Boeing 737-700, o maior da frota da companhia aérea moçambicana, o que vai levar à reprogramação de alguns voos.

A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique informou que, devido à revisão pontual do avião Boeing 737-700, o maior da frota da companhia aérea moçambicana, vai ter de reprogramar alguns voos.

“Devido a este facto, que se traduz na redução da capacidade de frota, alguns voos da companhia estão a ser reprogramados”, refere a LAM num comunicado enviado Lusa e divulgado este sábado, 13 de julho.

A transportadora, que opera para 12 destinos domésticos e voa também para Joanesburgo, Dar-Es-Salaam, Harare, Lusaca, Cidade do Cabo e Lisboa, lamenta os “inconvenientes que as reprogramações de voos estão a causar”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

A celebrar 18 anos Airmet acredita que “a nossa função ainda é insubstituível”

A celebrar 18 anos de existência em Portugal, a Airmet acredita que “a nossa função ainda é insubstituível, ou seja, acredito que este negócio continua a ter bastante futuro, e somos o parceiro ideal para qualquer agência de viagens, independentemente da sua dimensão”, afirmou Luís Henriques, diretor geral da rede de gestão, em declarações ao Publituris.

Dirigindo-se aos agentes de viagens, Luís Henriques apela, no momento em que a Airmet celebra o seu 18º aniversário, a “continuarem a acreditar e a apostar em nós, que não se vão arrepender e que garantidamente ainda vamos continuar a crescer cada vez mais juntos”.

Paralelamente ao jantar de aniversário, esta sexta-feira, em Lisboa, após a realização do evento também no Porto, a semana passada, o diretor geral da rede de gestão fez, em declarações ao Publituris, um balanço destas quase duas décadas de existência da Airmet. “Alguns agentes de viagens têm-nos acompanhado desde o primeiro dia. Foram as duas décadas mais importantes para o setor em que há uma democratização do próprio turismo, em que viajar é visto não como um luxo, mas como uma necessidade, há cada vez mais pessoas a viajar”, apontou, para avançar que, em 20 anos “muita coisa mudou e este mercado é entusiasmante e tem sido anos muitos bons”. Luís Henriques continua a achar que “os grupos de gestão têm um espaço muito importante neste setor, que a nossa função ainda é insubstituível, ou seja, acredito que este negócio continua a ter bastante futuro, e somos o parceiro ideia para qualquer agência de viagens, independentemente da sua dimensão”.

No que diz respeito a novidades, o diretor geral da Airmet destacou que “já comunicámos à rede e vamos lançar, durante o próximo mês de agosto, uma nova ferramenta com um operador de hotéis, temos outras ideias até ao final do ano, a nossa convenção vai ser em novembro, onde haverá também novidades ao nível da tecnologia e da contratação”.

Referiu que “continuamos a seguir este caminho que achamos que é o mais correto para a contratação, e os resultados desta nossa estratégia, que já dura há três anos, tem-se verificado no dia a dia, realmente as nossas agências de viagens têm hoje um negócio que lhes permite ser cada vez mais rentável devido ao direcionamento de vendas, diria que somos um grupo de gestão muito nervoso, estamos sempre a tentar inovar”. Assim, “acho que é isso que a Airmet, ao longo destes 18 anos, sempre conseguiu ser: inovar e trazer os maiores benefícios possíveis aos seus associados”.

Em 18 anos de existência, o objetivo da Airmet é ser líder no que diz respeito às redes de gestão das agências de viagens em Portugal. Luís Henriques diz que “estamos a caminhar para isso”, embora acredite que existem várias formas de medir isso, “umas mais subjetivas, como a qualidade de atendimento, os serviços que prestamos, as ferramentas que garantimos às nossas agências de viagens, o apoio e o acompanhamento, fatores que não serão facilmente mensuráveis. Nessas acredito que somos líderes e estamos muito bem representados”.

No entanto, realça que “a única forma que é verdadeiramente tangível e que não nos rentam dúvidas, tem a ver com o número de balcões, e para nós seria interessante ser líder neste indicador”, defendendo que “temos tido um crescimento nos últimos anos, sabemos que a nossa concorrência é muito competente, tem sido muito difícil, mas claro que lutamos todos os dias para atingir esse objetivo”.

Em relação ao indicador do volume de negócios, o responsável refere que “as vendas das agências a nível individual são muito dificilmente medíveis, ou seja, não conseguimos uma perceção do volume total de faturação da nossa rede e o mesmo acontece com as outras redes, por isso, é fácil dizer se o líder é a A ou a B neste caso, a acrescentar que nos grupos de gestão de agências de viagens há diferenças uns dos outros, por exemplo, em termos de clientes, uns estão vocacionados para o corporate, e nós para o lazer puro”, evidenciou.

A assinalar o 18º aniversário, em pleno verão, Luís Henriques realçou ao Publituris que “sentimos que é o melhor ano de sempre e o mercado tem vindo a bater recordes. Acreditamos que 2024 será ainda melhor do que o 2023, é certo que há mais oferta em relação ao ano passado e pode dar a ideia de que as vendas não estão tão boas, mas acredito que nunca houve tanta gente a viajar como há hoje em dia”.

Considera que é um ano sui generis, porque desde novembro até abril houve uma antecipação de vendas enorme como nunca se viu neste mercado. No entanto, “maio e junho foram meses um pouco mais fracos, mas a verdade é que julho tem correspondido às últimas horas e tem-se verificado algum entusiasmo”, acentuando que “vivemos os últimos dois meses nalguma ressaca, mas quem está no dia a dia nas lojas sente o oposto, sente que o ano está a ser muito bom e que se começou a compor muito cedo, o que é muito bom porque esta tendência de antecipação só foi travada pela Covid”.

O diretor geral da Airmet é da opinião que, “quanto mais cedo os operadores colocarem os produtos no mercado melhor será para as agências de viagens”, para concluir que “todo o mercado vive momentos bons. Têm sido anos bons, depois de uma pandemia que foi assustadora, por isso estamos cada vez mais esperançosos e entusiasmados com o futuro”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Turismo do Porto e Norte e CCDR Norte lançam novo produto “Rotas do Norte”

As “Rotas do Norte” pretendem “colmatar uma lacuna regional estrutural e um constrangimento relevante na gestão e promoção turística dos ativos patrimoniais e artísticos regionais existentes” na região Norte de Portugal.

Publituris

A Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR Norte) estabeleceram um protocolo de cooperação com vista à criação, desenvolvimento e promoção de Rotas Turísticas Regionais no Norte, designadas “Rotas do Norte”.

Num comunicado enviado à imprensa, o TPNP explica que estas rotas turísticas foram desenhadas nos últimos três meses, num trabalho conjunto entre as duas entidades, com o objetivo de “colmatar uma lacuna regional estrutural e um constrangimento relevante na gestão e promoção turística dos ativos patrimoniais e artísticos regionais existentes”.

Para o TPNP, as “Rotas do Norte” “são “a chave” para resolver um bloqueio, com décadas, na estruturação e promoção de bens culturais com potencial turístico na Região Norte”.

As duas entidades juntaram-se para “constituir e desenvolver diferentes rotas turístico-culturais de Património Cultural, Arte e Arquitetura Contemporâneas, com uma ampla cobertura regional”, num “processo que será assegurado através de um modelo de gestão articulado, pelas duas entidades, de reconhecimento formal do interesse da adesão de um bem patrimonial a uma Rota Regional”.

“Este protocolo operacionaliza ainda um outro instrumento relevante, na sequência de uma deliberação recente da autoridade de gestão do Programa NORTE 2030: a atribuição do selo “Rotas do Norte”. Tal atribuição passará a ser um dos requisitos obrigatórios para candidaturas a cofinanciamento europeu em avisos dedicados a “reforçar o papel da cultura e do turismo sustentável no desenvolvimento económico, na inclusão social e na inovação social”, explica ainda o TPNP, revelando que o primeiro “aviso de concurso de financiamento será tornado público também esta sexta-feira”.

O protocolo de cooperação foi assinado numa cerimónia que contou com a presença do presidente da CCDR NORTE, António Cunha, do vice-presidente da CCDR NORTE para a Cultura e Património, Jorge Sobrado, e do presidente da Direção da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte, Luís Pedro Martins.

Para Luís Pedro Martins, este protocolo vai contribuir “para a preparação da estratégia turístico-cultural do destino” e marca ““um dia histórico na relação entre as duas instituições”, uma vez que permite, finalmente, “estruturar este produto estratégico e ter uma oferta mais assertiva, organizada e segmentada que valorize os ativos culturais da região”.

Segundo o presidente do TPNP, esta decisão vai ajudar “a garantir a visitação a estes espaços, coisa que atualmente nem sempre acontece, aumentar fluxos e ajudar ao desenvolvimento socioeconómico e coesão territorial no destino”.

O pedido de reconhecimento e a adesão às “Rotas do Norte” poderá ser realizado por entidades proprietárias, gestoras ou promotoras de bens de património cultural, devendo a solicitação ser realizada à CCDR Norte ou à TPNP, “através do preenchimento de um formulário eletrónico próprio”, que está disponível aqui e aqui.

Já a aprovação e atribuição do selo dependerá do cumprimento de um conjunto de critérios, disponíveis para consulta, a partir desta data, nos portais web institucionais.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.